Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Santa Catarina não será um laboratório das maldades do Temer, nós não vamos deixar!

Santa Catarina não será um laboratório das maldades do Temer, nós não vamos deixar!

Escrito por: Anna Júlia Rodrigues Presidenta da CUT-SC Publicado em: 10/03/2017 Publicado em: 10/03/2017

Passada as eleições municipais de 2016, ao assumirem em 2017, muitos daqueles que falavam que iam investir na saúde, na educação e na valorização dos trabalhadores no serviço público municipal, já começam a contradizer suas promessas de campanha e encaminham projetos para a Câmara de Vereadores que retiram direitos dos servidores públicos municipais e desmontam o serviço público da cidade.

Santa Catarina parece um pequeno laboratório das maldades do Temer, para depois ser aplicado em nível estadual e nacional, vários prefeitos aplicam a receita do “retirar direitos”, usando a desculpa do endividamento da prefeitura. Que alguns municípios passam por dificuldades financeiras, isso é verdadeiro, porém em muitos casos isso é utilizado como desculpa para atacar o serviço público e iniciar um processo de privatização e parceria entre o público e privado.

Já aconteceu em Maravilha, pequena cidade do oeste catarinense uma greve no final do ano para evitar que um pacote de arrocho salarial fosse aprovado, organizados pelo sindicato os trabalhadores foram vitoriosos e barraram essa tentativa da prefeita Rosimar Maldaner do PMDB, de retirar direitos dos trabalhadores.

Em Florianópolis o prefeito recém empossado, Gean Loureiro do PMDB, começou o ano enviando para a Câmara de Vereadores quase 40 projetos que previam uma série de retirada de direitos e destruição do Plano de Cargos e Salários construído com grandes lutas ao longo dos 20 anos. Os servidores responderam com uma grande greve que chegou a 38 dias.  Com muita mobilização eles não arredaram o pé, nem com as ameaças de prisão e multas feitas pela justiça. Ao final, a vitória dos trabalhadores e o recuou do prefeito da capital, o mini-Temer de Floripa.

Agora no norte do estado, em Jaraguá do Sul, uma das cidades com altos índices econômicos e conhecida por ser a sede de grandes indústrias, o prefeito Antídio Lunelli, também do PMDB, tenta aprovar um projeto que retira vários direitos dos servidores públicos municipais. A greve de Jaraguá, que começou na segunda-feira, ganha cada vez mais adesão e apoio da população. Quanto mais o prefeito vai na imprensa tentar pregar inverdades, mais o povo percebe na prática que o que ele fala não condiz com a realidade da cidade.

Mas o ataque dos prefeitos em conluio com grupos de vereadores não para por aí. Em pleno dia 8 de março, dia de luta das mulheres. Vereadores e vereadoras de São José, cidade da Grande Florianópolis, aprovaram um projeto que reduz os direitos das professoras e professores da rede municipal de educação.  A prefeita Adeliana Dal Pont do PSD, juntou seu grupo de vereadores e aprovou o projeto de retirada de direitos dos trabalhadores. Dos 19 vereadores, 12 aprovaram o projeto da prefeita, sendo que destes, cinco são trabalhadores do serviço público municipal e não ficaram constrangidos em votar contra os seus colegas. O sindicato junto com os servidores acompanhou a votação e já mobiliza a categoria para uma greve que pode começar na próxima semana.

Depois do golpe de estado, que desrespeitou todas as leis do nosso país, os administradores de âmbito municipal, estadual e nacional, perderam o senso de justiça e começam a atacar descaradamente os direitos da classe trabalhadora. Há um projeto de desmonte do serviço público em todo o país, ele começa com o congelamento dos gastos públicos, como foi com a aprovação da PEC 55 ano passado, vai para a retirada de direitos dos servidores municipais, depois avança para os demais servidores.

Paralelo a isso, os trabalhadores regidos por CLT, também estão ameaçados com a Reforma Trabalhista que tramita a passos largos no Congresso Nacional e prevê entre tantas maldades, liberar o negociado sobre o legislado e a terceirização sem limites!

São tempos sombrios que estamos vivendo, tempos de ataques aos diretos aos trabalhadores! A CUT-SC está junto nas lutas dos servidores municipais e alerta os catarinenses dessa articulação de prefeitos que tentam tirar na marra os direitos adquiridos de quem trabalha para o povo da cidade.

Não vamos nos calar, para cada tentativa de retirada de direitos, terá a resistência e luta da classe trabalhadora! Força companheiros do serviço público, força para todos nós trabalhadores e trabalhadoras! Dia 15 de março conclamamos à todos e todas para aderir a greve nacional em defesa dos nossos direitos!

#PorNenhumDireitoAMenos




Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.