Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

A verdade sobre a Bancoop

Investigada por duas CPIs, nenhum desvio foi encontrado, mas Bancoop é novamente utilizada em ano eleitoral para fazer disputa política

Escrito por: Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo • Publicado em: 02/02/2016 - 12:18 • Última modificação: 02/02/2016 - 12:35 Escrito por: Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo Publicado em: 02/02/2016 - 12:18 Última modificação: 02/02/2016 - 12:35

Reprodução

A Bancoop foi criada em 1996 por militantes bancários, com apoio do Sindicato e o objetivo de possibilitar aos trabalhadores realizar o sonho da casa própria. Como cooperativa, não visava o lucro e conseguia construir empreendimentos de qualidade a preço de custo. Atualmente, 5.698 famílias vivem em casas ou apartamentos feitos pela Bancoop. 

A partir de dezembro de 2004, com a morte de Luiz Malheiro, presidente da cooperativa desde sua fundação, e integrantes do departamento financeiro, num acidente de carro, assume uma nova diretoria que tem de fazer uma reorganização administrativa na Bancoop. De acordo com o formato de cooperativa, qualquer eventual diferença entre o custo estimado do imóvel e o efetivamente gasto seria rateada entre os cooperados. A recusa em aceitar esse rateio em alguns casos gerou um déficit que acabou por dificultar a conclusão de algumas unidades.

A situação foi agravada pela guerra política travada em torno da Bancoop, principalmente em anos eleitorais. Muito se diz, sem nada ser comprovado. A cooperativa passou por duas CPIs (na Assembleia Legislativa e no Senado) e nenhum desvio foi constatado. Um procedimento no Ministério Público foi arquivado por falta de provas.

A partir de 2007, o promotor José Carlos Blat, do MP de São Paulo, faz denúncias contra a Bancoop por cerca de um ano via imprensa, sem efetivar inquérito no qual a cooperativa tivesse oportunidade de apresentar defesa. Mesmo infundadas, essas denúncias divulgadas pela mídia assustaram cooperados que desistiram de pagar, abalando a estrutura da cooperativa.

Quando o processo é instalado e pode enfim de defender, a Bancoop apontou 593 erros do promotor, que estão sendo questionados judicialmente. Dentre eles, o pilar da denúncia: um suposto cheque de R$ 38 milhões que, na verdade, era de R$ 38 mil. Uma das muitas inconsistências apontadas pela Bancoop, que sempre deu todas as explicações solicitadas pela Justiça (confira também no www.bancoop.com.br).

Dados – Em assembleia com bancários e por solicitação dos trabalhadores, o Sindicato se comprometeu a acompanhar a situação e a solução dos problemas. Em 2005, havia 14 empreendimentos para serem concluídos e atualmente são três. No total, 25 foram entregues.

A partir da deliberação dos cooperados, em assembleias homologadas pela Justiça, construtoras passaram a trabalhar para finalizar os empreendimentos. Os acordos que levaram às transferências desses empreendimentos para as construtoras (são quatro empresas) ocorreram a pedido dos próprios cooperados: sem um mínimo de 90% de adesões, os acordos não eram concretizados.

Parte dos que desistiram de empreendimentos passados a outras construtoras tiveram restituído os valores pagos, faltam 173. Além das 5.698 moradias entregues, outras 644 foram concluídas via acordos de transferência de empreendimentos aprovados em assembleias pelos cooperados.

O apartamento de Lula e a Bancoop - A mais recente denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva refere-se a um apartamento adquirido por sua esposa, D. Marisa, num empreendimento da Bancoop no Guarujá. Como outros tantos trabalhadores, Lula e sua família queriam ter um espaço na praia para descansar, mas desistiram diante do assédio da imprensa e, como outros cooperados, aguardam para receber de volta o montante empenhado.

Veja a documentação disponibilizada pelo ex-presidente, demonstrando a legalidade da transação

Para quem governou o Brasil por 500 anos achando que trabalhador tem de ser explorado, esperando crescer um tal bolo que nunca seria dividido, Lula incomoda e muito. Foi o presidente que mais distribuiu renda, tirou o Brasil do mapa da fome, fortaleceu a economia e o mercado interno, feitos reconhecidos internacionalmente.

Os jornais estão travando uma disputa política que tem por único objetivo evitar que Lula seja candidato em 2018. Nós, do Sindicato, repudiamos a falta de compromisso da imprensa tradicional com a verdade e queremos que a disputa seja travada nas urnas, único espaço onde deve ser julgado o projeto político que governa o Brasil desde 2003.

Repudiamos um jogo sujo que atinge empresas, nomes, reputações, famílias inteiras e paralisa o país. Não por acaso, a maior parte dos atingidos representa a luta dos trabalhadores por mais direitos nesse Brasil tão desigual. É o caso do presidente da CUT, Vagner Freitas. O Sindicato repudia também esse ataque (leia mais aqui).



Entenda e divulgue a verdade - . A denúncia apresentada pelo promotor Blat conta com 593 ERROS sobre a Bancoop. Ele menciona, por exemplo, o cheque nº 012400, emitido e compensado no valor de R$ 38.804,66 como tendo o valor de R$ 38.804.366,00 (foto à esquerda).

. É MENTIRA que seis mil famílias ou três mil famílias não tenham recebido seus apartamentos ou casas da Bancoop. Na verdade 5.698 estão usufruindo de seus empreendimentos em algumas das principais regiões de São Paulo e Osasco (fotos acima). - See more at: http://www.spbancarios.com.br/Noticias.aspx?id=13952#sthash.xagTZeJm.dpuf

Não há dinheiro desviado da Bancoop. Todo dinheiro foi investido nos empreendimentos finalizados a partir de acordos definidos pelos cooperados em assembleias, todos homologados pela Justiça.

A cooperativa teve seu sigilo bancário quebrado e nada de errado foi encontrado. 

Título: A verdade sobre a Bancoop, Conteúdo: A Bancoop foi criada em 1996 por militantes bancários, com apoio do Sindicato e o objetivo de possibilitar aos trabalhadores realizar o sonho da casa própria. Como cooperativa, não visava o lucro e conseguia construir empreendimentos de qualidade a preço de custo. Atualmente, 5.698 famílias vivem em casas ou apartamentos feitos pela Bancoop.  A partir de dezembro de 2004, com a morte de Luiz Malheiro, presidente da cooperativa desde sua fundação, e integrantes do departamento financeiro, num acidente de carro, assume uma nova diretoria que tem de fazer uma reorganização administrativa na Bancoop. De acordo com o formato de cooperativa, qualquer eventual diferença entre o custo estimado do imóvel e o efetivamente gasto seria rateada entre os cooperados. A recusa em aceitar esse rateio em alguns casos gerou um déficit que acabou por dificultar a conclusão de algumas unidades. A situação foi agravada pela guerra política travada em torno da Bancoop, principalmente em anos eleitorais. Muito se diz, sem nada ser comprovado. A cooperativa passou por duas CPIs (na Assembleia Legislativa e no Senado) e nenhum desvio foi constatado. Um procedimento no Ministério Público foi arquivado por falta de provas. A partir de 2007, o promotor José Carlos Blat, do MP de São Paulo, faz denúncias contra a Bancoop por cerca de um ano via imprensa, sem efetivar inquérito no qual a cooperativa tivesse oportunidade de apresentar defesa. Mesmo infundadas, essas denúncias divulgadas pela mídia assustaram cooperados que desistiram de pagar, abalando a estrutura da cooperativa. Quando o processo é instalado e pode enfim de defender, a Bancoop apontou 593 erros do promotor, que estão sendo questionados judicialmente. Dentre eles, o pilar da denúncia: um suposto cheque de R$ 38 milhões que, na verdade, era de R$ 38 mil. Uma das muitas inconsistências apontadas pela Bancoop, que sempre deu todas as explicações solicitadas pela Justiça (confira também no www.bancoop.com.br). Dados – Em assembleia com bancários e por solicitação dos trabalhadores, o Sindicato se comprometeu a acompanhar a situação e a solução dos problemas. Em 2005, havia 14 empreendimentos para serem concluídos e atualmente são três. No total, 25 foram entregues. A partir da deliberação dos cooperados, em assembleias homologadas pela Justiça, construtoras passaram a trabalhar para finalizar os empreendimentos. Os acordos que levaram às transferências desses empreendimentos para as construtoras (são quatro empresas) ocorreram a pedido dos próprios cooperados: sem um mínimo de 90% de adesões, os acordos não eram concretizados. Parte dos que desistiram de empreendimentos passados a outras construtoras tiveram restituído os valores pagos, faltam 173. Além das 5.698 moradias entregues, outras 644 foram concluídas via acordos de transferência de empreendimentos aprovados em assembleias pelos cooperados. O apartamento de Lula e a Bancoop - A mais recente denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva refere-se a um apartamento adquirido por sua esposa, D. Marisa, num empreendimento da Bancoop no Guarujá. Como outros tantos trabalhadores, Lula e sua família queriam ter um espaço na praia para descansar, mas desistiram diante do assédio da imprensa e, como outros cooperados, aguardam para receber de volta o montante empenhado. > Veja a documentação disponibilizada pelo ex-presidente, demonstrando a legalidade da transação Para quem governou o Brasil por 500 anos achando que trabalhador tem de ser explorado, esperando crescer um tal bolo que nunca seria dividido, Lula incomoda e muito. Foi o presidente que mais distribuiu renda, tirou o Brasil do mapa da fome, fortaleceu a economia e o mercado interno, feitos reconhecidos internacionalmente. Os jornais estão travando uma disputa política que tem por único objetivo evitar que Lula seja candidato em 2018. Nós, do Sindicato, repudiamos a falta de compromisso da imprensa tradicional com a verdade e queremos que a disputa seja travada nas urnas, único espaço onde deve ser julgado o projeto político que governa o Brasil desde 2003. Repudiamos um jogo sujo que atinge empresas, nomes, reputações, famílias inteiras e paralisa o país. Não por acaso, a maior parte dos atingidos representa a luta dos trabalhadores por mais direitos nesse Brasil tão desigual. É o caso do presidente da CUT, Vagner Freitas. O Sindicato repudia também esse ataque (leia mais aqui). Entenda e divulgue a verdade - . A denúncia apresentada pelo promotor Blat conta com 593 ERROS sobre a Bancoop. Ele menciona, por exemplo, o cheque nº 012400, emitido e compensado no valor de R$ 38.804,66 como tendo o valor de R$ 38.804.366,00 (foto à esquerda). . É MENTIRA que seis mil famílias ou três mil famílias não tenham recebido seus apartamentos ou casas da Bancoop. Na verdade 5.698 estão usufruindo de seus empreendimentos em algumas das principais regiões de São Paulo e Osasco (fotos acima). - See more at: http://www.spbancarios.com.br/Noticias.aspx?id=13952#sthash.xagTZeJm.dpuf Não há dinheiro desviado da Bancoop. Todo dinheiro foi investido nos empreendimentos finalizados a partir de acordos definidos pelos cooperados em assembleias, todos homologados pela Justiça. A cooperativa teve seu sigilo bancário quebrado e nada de errado foi encontrado. 



Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.