Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Apeoesp registra 300 agressões a professores até julho

Sindicato dos Professores registra crescimento entre 30% a 40% por semestre nos últimos três anos

Escrito por: Agência Sindical • Publicado em: 26/09/2011 - 12:10 Escrito por: Agência Sindical Publicado em: 26/09/2011 - 12:10

 

Os casos de agressão a professores nas escolas públicas paulistas têm crescido entre 30% e 40% por semestre nos últimos três anos. Segundo o Observatório da Violência do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado (Apeoesp), só de janeiro a julho foram mais de 300 casos de agressão física ou verbal a docentes em aulas.

 

A presidente do Sindicato, Maria Izabel Azevedo Noronha (Bebel), denuncia que a violência nas escolas se generalizou e já não há um perfil do aluno agressor. “Semana passada, um menino de 6 anos bateu em um professor de uma escola em Diadema. O acúmulo de funções faz o docente estar mais exposto a conflitos”, ressalta Bebel. A presidente da Apeoesp afirmou ainda que 70% dos professores que sofrem de estresse foram vítimas de algum tipo de agressão por parte dos alunos.

 

Tragédia – No último dia 22, um menino de dez anos atirou numa professora na Escola Professora Alcina Dantas Feijão, em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo. Em seguida, ele saiu da sala e atirou na própria cabeça. O garoto morreu.

Título: Apeoesp registra 300 agressões a professores até julho, Conteúdo:   Os casos de agressão a professores nas escolas públicas paulistas têm crescido entre 30% e 40% por semestre nos últimos três anos. Segundo o Observatório da Violência do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado (Apeoesp), só de janeiro a julho foram mais de 300 casos de agressão física ou verbal a docentes em aulas.   A presidente do Sindicato, Maria Izabel Azevedo Noronha (Bebel), denuncia que a violência nas escolas se generalizou e já não há um perfil do aluno agressor. “Semana passada, um menino de 6 anos bateu em um professor de uma escola em Diadema. O acúmulo de funções faz o docente estar mais exposto a conflitos”, ressalta Bebel. A presidente da Apeoesp afirmou ainda que 70% dos professores que sofrem de estresse foram vítimas de algum tipo de agressão por parte dos alunos.   Tragédia – No último dia 22, um menino de dez anos atirou numa professora na Escola Professora Alcina Dantas Feijão, em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo. Em seguida, ele saiu da sala e atirou na própria cabeça. O garoto morreu.



Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.