Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Sindicatos internacionais apoiam Greve Geral do dia 28 de Abril

Federações internacionais articulam ações de apoio às paralisações

Escrito por: Gislene Madarazo • Publicado em: 20/04/2017 - 16:17 • Última modificação: 21/04/2017 - 19:48 Escrito por: Gislene Madarazo Publicado em: 20/04/2017 - 16:17 Última modificação: 21/04/2017 - 19:48

Divulgação


Apreensivas com o que está ocorrendo com as legislações dos direitos trabalhistas e previdenciários no Brasil, as federações internacionais de trabalhadores da Construção e Madeira (ICM), metalúrgicos, químicos e têxtil (IndustriALL) e servidores públicos (ISP) estão articulando em suas entidades de base, manifestações e ações de apoio à Greve Geral do dia 28 de Abril no Brasil.

“Nesse dia, os sindicatos da ICM estarão entregando cartas de protesto nas Embaixadas do Brasil em vários países, em conjunto com os sindicatos afiliados à Internacional de Serviços Públicos (ISP) e IndustriALL Global Union, outras federações sindicais internacionais mobilizadas em apoio aos trabalhadores brasileiros”, informa o representante da ICM para América Latina e Caribe, Nilton Freitas.

No lugar das reformas, defende a ICM, seria mais adequado que o governo estivesse buscando os meios para retomar as milhares de obras paralisadas em todo o país, cujos investimentos altíssimos já realizados estão se deteriorando. “Enquanto isso, cerca de 13 milhões de pessoas perderam seu emprego e a arrecadação pública, evidentemente, despenca, reduzindo a capacidade fiscal do Estado em prejuízo da segurança pública, da saúde, da educação”, destaca o secretário-geral da ICM, Ambet Yuson.

Confira baixo a nota da ICM:

Brasil: solidariedade internacional à Greve Geral 28 de abril

A Internacional de Trabalhadores da Construção e da Madeira (ICM) vem acompanhando com muita apreensão as iniciativas legislativas promovidas pelo governo brasileiro no âmbito da previdência social e das relações de trabalho.

Causa especial preocupação, a aprovação em caráter de urgência pela maioria parlamentar do governo na Câmara, de proposta legislativa que regulamenta a subcontratação de mão de obra e serviços (a chamada “terceirização”), de forma totalmente irrestrita e sem a garantia de direitos para os trabalhadores empregados nas chamadas atividades-fim da empresa.

De igual maneira, as medidas apresentadas pelo governo na chamada “reforma da previdência social” conduzem a uma precarização sem limites da seguridade social, com prejuízos econômicos, sociais e humanos para a geração atual e futura de trabalhadores homens e mulheres.

Não bastassem essas medidas depreciativas da proteção social e trabalhista, o governo do Senhor Michel Temer ataca frontalmente as organizações sindicais de trabalhadores ao propor uma “reforma” trabalhista que levará ao enfraquecimento dos sindicatos e da negociação coletiva no Brasil, resultando em redução de salários, benefícios e direitos no médio e longo prazo.

Tudo ao contrário daqueles compromissos assumidos pelo Estado brasileiro junto ao sistema das Nações Unidas, de promover a redução da pobreza e a melhoria das condições de vida e de trabalho dos seus cidadãos.

O atual governo, aparentemente dirigido pelos interesses do “mercado”, age contra o seu povo e, em especial, contra a classe trabalhadora. Em razão disso, a ICM está convocando a todos os seus afiliados na América Latina e Caribe para ações de solidariedade com a GREVE GERAL NACIONAL que as entidades sindicais brasileiras planejam realizar no próximo dia 28 de Abril – Dia Internacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças no Trabalho -, em defesa de suas condições de trabalho e de vida e contra a terceirização irrestrita e precarizadora.

No dia 28 de abril, os sindicatos da ICM estarão entregando cartas de protesto nas Embaixadas do Brasil em vários países, em conjunto com os sindicatos afiliados à Internacional de Serviços Públicos (ISP) e industriALL Global Union, outras federações sindicais internacionais mobilizadas em apoio aos trabalhadores brasileiros.

De acordo com o Secretário Geral da ICM Ambet Yuson “os sindicatos têm um papel central em reclamar por humanidade no mundo do trabalho. Os trabalhadores estão colocados de frente com governos e empregadores que facilitam, colaboram e até mesmo implementam violações dos direitos humanos e trabalhistas. Seria mais adequado que o governo estivesse buscando os meios para retomar as milhares de obras paralisadas em todo o país, cujos investimentos altíssimos já realizados estão se deteriorando. Enquanto isso, cerca de 13 milhões de pessoas perderam seu emprego e a arrecadação pública, evidentemente, despenca, reduzindo a capacidade fiscal do Estado em prejuízo da segurança pública, da saúde, da educação”.

“Por isso” – continua Yuson -, “os afiliados no Brasil aprovaram no começo do ano a Campanha Emprego Já – Queremos trabalhar, pela retomada das obras paralisadas e do Programa Minha Casa Minha Vida”. E também já alertavam que estavam sob ataque. Mas, os trabalhadores brasileiros não estão sós: em toda parte do mundo, a grande família da ICM estará se levantando em seu apoio e solidariedade no próximo 28 de abril.

Todo apoio à greve geral do dia 28 de abril de 2017! Solidariedade Internacional já! Contra a precarização! Contra a redução de direitos previdenciários! Contra o enfraquecimento dos sindicatos e da negociação coletiva! A ICM é luta e solidariedade.

 

Título: Sindicatos internacionais apoiam Greve Geral do dia 28 de Abril, Conteúdo: Apreensivas com o que está ocorrendo com as legislações dos direitos trabalhistas e previdenciários no Brasil, as federações internacionais de trabalhadores da Construção e Madeira (ICM), metalúrgicos, químicos e têxtil (IndustriALL) e servidores públicos (ISP) estão articulando em suas entidades de base, manifestações e ações de apoio à Greve Geral do dia 28 de Abril no Brasil. “Nesse dia, os sindicatos da ICM estarão entregando cartas de protesto nas Embaixadas do Brasil em vários países, em conjunto com os sindicatos afiliados à Internacional de Serviços Públicos (ISP) e IndustriALL Global Union, outras federações sindicais internacionais mobilizadas em apoio aos trabalhadores brasileiros”, informa o representante da ICM para América Latina e Caribe, Nilton Freitas. No lugar das reformas, defende a ICM, seria mais adequado que o governo estivesse buscando os meios para retomar as milhares de obras paralisadas em todo o país, cujos investimentos altíssimos já realizados estão se deteriorando. “Enquanto isso, cerca de 13 milhões de pessoas perderam seu emprego e a arrecadação pública, evidentemente, despenca, reduzindo a capacidade fiscal do Estado em prejuízo da segurança pública, da saúde, da educação”, destaca o secretário-geral da ICM, Ambet Yuson. Confira baixo a nota da ICM: Brasil: solidariedade internacional à Greve Geral 28 de abril A Internacional de Trabalhadores da Construção e da Madeira (ICM) vem acompanhando com muita apreensão as iniciativas legislativas promovidas pelo governo brasileiro no âmbito da previdência social e das relações de trabalho. Causa especial preocupação, a aprovação em caráter de urgência pela maioria parlamentar do governo na Câmara, de proposta legislativa que regulamenta a subcontratação de mão de obra e serviços (a chamada “terceirização”), de forma totalmente irrestrita e sem a garantia de direitos para os trabalhadores empregados nas chamadas atividades-fim da empresa. De igual maneira, as medidas apresentadas pelo governo na chamada “reforma da previdência social” conduzem a uma precarização sem limites da seguridade social, com prejuízos econômicos, sociais e humanos para a geração atual e futura de trabalhadores homens e mulheres. Não bastassem essas medidas depreciativas da proteção social e trabalhista, o governo do Senhor Michel Temer ataca frontalmente as organizações sindicais de trabalhadores ao propor uma “reforma” trabalhista que levará ao enfraquecimento dos sindicatos e da negociação coletiva no Brasil, resultando em redução de salários, benefícios e direitos no médio e longo prazo. Tudo ao contrário daqueles compromissos assumidos pelo Estado brasileiro junto ao sistema das Nações Unidas, de promover a redução da pobreza e a melhoria das condições de vida e de trabalho dos seus cidadãos. O atual governo, aparentemente dirigido pelos interesses do “mercado”, age contra o seu povo e, em especial, contra a classe trabalhadora. Em razão disso, a ICM está convocando a todos os seus afiliados na América Latina e Caribe para ações de solidariedade com a GREVE GERAL NACIONAL que as entidades sindicais brasileiras planejam realizar no próximo dia 28 de Abril – Dia Internacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças no Trabalho -, em defesa de suas condições de trabalho e de vida e contra a terceirização irrestrita e precarizadora. No dia 28 de abril, os sindicatos da ICM estarão entregando cartas de protesto nas Embaixadas do Brasil em vários países, em conjunto com os sindicatos afiliados à Internacional de Serviços Públicos (ISP) e industriALL Global Union, outras federações sindicais internacionais mobilizadas em apoio aos trabalhadores brasileiros. De acordo com o Secretário Geral da ICM Ambet Yuson “os sindicatos têm um papel central em reclamar por humanidade no mundo do trabalho. Os trabalhadores estão colocados de frente com governos e empregadores que facilitam, colaboram e até mesmo implementam violações dos direitos humanos e trabalhistas. Seria mais adequado que o governo estivesse buscando os meios para retomar as milhares de obras paralisadas em todo o país, cujos investimentos altíssimos já realizados estão se deteriorando. Enquanto isso, cerca de 13 milhões de pessoas perderam seu emprego e a arrecadação pública, evidentemente, despenca, reduzindo a capacidade fiscal do Estado em prejuízo da segurança pública, da saúde, da educação”. “Por isso” – continua Yuson -, “os afiliados no Brasil aprovaram no começo do ano a Campanha Emprego Já – Queremos trabalhar, pela retomada das obras paralisadas e do Programa Minha Casa Minha Vida”. E também já alertavam que estavam sob ataque. Mas, os trabalhadores brasileiros não estão sós: em toda parte do mundo, a grande família da ICM estará se levantando em seu apoio e solidariedade no próximo 28 de abril. Todo apoio à greve geral do dia 28 de abril de 2017! Solidariedade Internacional já! Contra a precarização! Contra a redução de direitos previdenciários! Contra o enfraquecimento dos sindicatos e da negociação coletiva! A ICM é luta e solidariedade.  



Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.