Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Trabalhadores são reprimidos com violência em protesto contra golpista Temer no RS

Trabalhadores são reprimidos com violência em protesto contra golpista Temer em Esteio/RS

Escrito por: CUT-RS • Publicado em: 10/01/2017 - 15:17 Escrito por: CUT-RS Publicado em: 10/01/2017 - 15:17

CUT-RS

A tropa de choque da Brigada Militou partiu com violência contra a manifestação pacífica de educadores, demais servidores e trabalhadores que protestavam, na manhã desta segunda-feira (9), em frente ao Parque de Exposições Assis Brasil (Expointer), em Esteio, na Grande Porto Alegre, contra a primeira visita oficial do presidente golpista Michel Temer (PMDB) ao Rio Grande do Sul.

Vários participantes foram atingidos por spray de pimenta, empurrados com violência e ameaçados. A diretora da CUT-RS e do CPERS Sindicato, Sonia Solange Viana, foi atingida diretamente no rosto e precisou de atendimento médico no hospital de Esteio.

CUT-RSCUT-RS

Um forte aparato de segurança da Polícia Rodoviária Federal e da Brigada Militar restringiu o acesso somente para convidados, como deputados, prefeitos e vereadores.

CUT-RSCUT-RS

O presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, condenou a violência contra os movimentos sociais e lamentou a falta de acesso dos movimentos sociais ao recinto para se manifestar contra as reformas neoliberais dos governos Temer e Sartori, restando o bloqueio da BR-116 para chamar a atenção da sociedade. “Foi uma resposta diante da postura intransigente do governo golpista, que não dialoga e quer enfiar goela abaixo do povo brasileiro uma pauta que jamais seria aprovada nas urnas”, afirmou.

Os manifestantes repudiaram as políticas de ajuste fiscal e de retirada de direitos sociais, trabalhistas e previdenciários pelos governos Temer e Sartori, ambos do PMDB.

“A violência foi extrema e totalmente desnecessária, pois o tempo todo o nosso protesto foi pacífico. Vamos denunciar mais esse abuso de autoridade do governo. Não nos calaremos. Resistiremos”, afirmou a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer.

A manifestação contou também com a participação da CTB, Nova Central e Conlutas, bem como de vários sindicatos e federações.

Temer chegou de helicóptero no final da manhã para não se aproximar dos manifestantes, após ter sobrevoado, sem pousar, os municípios de Rolante e Riozinho para ver os estragos causados pela enchente. Ele se limitou a entregar 61 novas ambulâncias da SAMU para repor veículos antigos das prefeituras gaúchas e falou da intenção de construir um presídio de segurança máxima, sem apontar prazo nem local. Nenhum investimento foi anunciado para o Estado.

CUT-RSCUT-RS

O golpista estava acompanhado do governador José Ivo Sartori (PMDB) e dos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), da Saúde, Ricardo Bastos (PP), e do Trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB). No início da tarde, ele retornou de helicóptero até a Base Aérea de Canoas, onde embarcou para Brasília.

 

 

 

Título: Trabalhadores são reprimidos com violência em protesto contra golpista Temer no RS, Conteúdo: A tropa de choque da Brigada Militou partiu com violência contra a manifestação pacífica de educadores, demais servidores e trabalhadores que protestavam, na manhã desta segunda-feira (9), em frente ao Parque de Exposições Assis Brasil (Expointer), em Esteio, na Grande Porto Alegre, contra a primeira visita oficial do presidente golpista Michel Temer (PMDB) ao Rio Grande do Sul. Vários participantes foram atingidos por spray de pimenta, empurrados com violência e ameaçados. A diretora da CUT-RS e do CPERS Sindicato, Sonia Solange Viana, foi atingida diretamente no rosto e precisou de atendimento médico no hospital de Esteio. Um forte aparato de segurança da Polícia Rodoviária Federal e da Brigada Militar restringiu o acesso somente para convidados, como deputados, prefeitos e vereadores. O presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, condenou a violência contra os movimentos sociais e lamentou a falta de acesso dos movimentos sociais ao recinto para se manifestar contra as reformas neoliberais dos governos Temer e Sartori, restando o bloqueio da BR-116 para chamar a atenção da sociedade. “Foi uma resposta diante da postura intransigente do governo golpista, que não dialoga e quer enfiar goela abaixo do povo brasileiro uma pauta que jamais seria aprovada nas urnas”, afirmou. Os manifestantes repudiaram as políticas de ajuste fiscal e de retirada de direitos sociais, trabalhistas e previdenciários pelos governos Temer e Sartori, ambos do PMDB. “A violência foi extrema e totalmente desnecessária, pois o tempo todo o nosso protesto foi pacífico. Vamos denunciar mais esse abuso de autoridade do governo. Não nos calaremos. Resistiremos”, afirmou a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer. A manifestação contou também com a participação da CTB, Nova Central e Conlutas, bem como de vários sindicatos e federações. Temer chegou de helicóptero no final da manhã para não se aproximar dos manifestantes, após ter sobrevoado, sem pousar, os municípios de Rolante e Riozinho para ver os estragos causados pela enchente. Ele se limitou a entregar 61 novas ambulâncias da SAMU para repor veículos antigos das prefeituras gaúchas e falou da intenção de construir um presídio de segurança máxima, sem apontar prazo nem local. Nenhum investimento foi anunciado para o Estado. O golpista estava acompanhado do governador José Ivo Sartori (PMDB) e dos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), da Saúde, Ricardo Bastos (PP), e do Trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB). No início da tarde, ele retornou de helicóptero até a Base Aérea de Canoas, onde embarcou para Brasília.      



Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.