Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

MTST protesta na residência de deputados que votaram para salvar Temer

Todos tiveram emendas liberadas antes de votar

Escrito por: RBA • Publicado em: 10/08/2017 - 09:54 • Última modificação: 10/08/2017 - 09:58 Escrito por: RBA Publicado em: 10/08/2017 - 09:54 Última modificação: 10/08/2017 - 09:58

MTST

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) realiza, na tarde desta quarta-feira (9), manifestações diante da residência ou escritório político de sete deputados federais de São Paulo que votaram, na semana passada, a favor do presidente Michel Temer, impedindo sua investigação e o afastamento do cargo. O MTST acusa os deputados Paulo Maluf (PP), Celso Russomanno (PRB), Eli Correa Filho (DEM), Antonio Goulart (PSD), Milton Monti (PR), Antonio Bulhões (PRB) e Beto Mansur (PRB) de ter vendido seus votos em troca da liberação de emendas parlamentares.

“Para salvar seu pescoço e arquivar a investigação por corrupção, Temer liberou R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares. Uma compra de votos no atacado diante de todo o país. Com esse valor era possível construir cerca de 43.200 moradias populares, mais do que a previsão para o orçamento deste ano no Brasil inteiro”, afirma o MTST.

Segundo o movimento, o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, na Faixa 1, foi reativado após mobilizações dos sem-teto, mas ainda nenhuma contratação foi feita em 2017. De acordo com o governo Temer, a razão é a falta de recursos. 

 

Título: MTST protesta na residência de deputados que votaram para salvar Temer, Conteúdo: O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) realiza, na tarde desta quarta-feira (9), manifestações diante da residência ou escritório político de sete deputados federais de São Paulo que votaram, na semana passada, a favor do presidente Michel Temer, impedindo sua investigação e o afastamento do cargo. O MTST acusa os deputados Paulo Maluf (PP), Celso Russomanno (PRB), Eli Correa Filho (DEM), Antonio Goulart (PSD), Milton Monti (PR), Antonio Bulhões (PRB) e Beto Mansur (PRB) de ter vendido seus votos em troca da liberação de emendas parlamentares. “Para salvar seu pescoço e arquivar a investigação por corrupção, Temer liberou R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares. Uma compra de votos no atacado diante de todo o país. Com esse valor era possível construir cerca de 43.200 moradias populares, mais do que a previsão para o orçamento deste ano no Brasil inteiro”, afirma o MTST. Segundo o movimento, o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, na Faixa 1, foi reativado após mobilizações dos sem-teto, mas ainda nenhuma contratação foi feita em 2017. De acordo com o governo Temer, a razão é a falta de recursos.   



Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.